domingo, 30 de setembro de 2018

RESULTADO DAS ELEIÇÕES SEGUNDO OS PESSIMISTAS


Por Eddie Van Feu

Marina ganha.

Ela reunirá uma equipe competente, mas Malafaia não vai concordar e ela vai dispensar todo mundo. Ela contrata um pessoal da igreja porque o pastor Jesus gosta mais deles. Ela fará muitas reuniões, enquetes, plebiscitos, mas ninguém vai concordar nunca e tudo ficará parado, como nas reuniões de trabalho em grupo da escola. A igreja evangélica do Malafaia assumirá o poder e todo mundo vai ter que pagar o dízimo e comprar CDs de música gospel. Como as soluções não cairão do céu como os fiéis esperam, o Brasil entrará em falência múltipla dos órgãos federais e afundará como Atlântida, como castigo divino.



Alckmin ganha.

Ninguém consegue se manter acordado enquanto ele fala e todas as reuniões serão consumidas por cafezinhos, lanches e merendas. Ele terá que cumprir acordos com todo mundo com quem fez coligação, fazendo o primeiro governo Frankstein da história, onde absolutamente ninguém tem a menor ideia do que está fazendo. O país entra em uma profunda crise e todos são obrigados a fazer uma dieta de chuchu com ki-suco diet, o que fará com que haja um levante de revolta da população. Infelizmente, estarão todos muito fracos e ficarão todos em casa, morrendo de inanição na frente da televisão.





Cabo Daciolo ganha.

Os iluminati se aliam aos reptilianos e à família Rockfeller para tentar tirar do poder o único homem que sabe de toda a verdade. Daciolo reúne todos os seus três amigos que acreditam no que ele fala e juntos marcharão em uma guerra sangrenta contra a URSAL. Infelizmente, os greys também estão por trás de tudo, e junto com os anunaquis jogam uma praga que deixa Daciolo e seus amigos cegos, surdos e loucos. Enquanto isso, o Brasil está à deriva, e o caos se instala, enquanto o sol aumenta de tamanho e um meteoro vem em nossa direção, acabando com o planeta. E com o Brasil, claro.





Bolsonaro ganha.

Animado com a popularidade e a chance de fazer o país dos sonhos de alguém do século 16, Bolsonaro toma logo nas primeiras semanas diversas decisões. Nenhuma é cumprida, porque todo mundo continua incompetente e a máquina continua a mesma. Irritado, ele convoca Jogos anuais onde todos os seus desafetos serão jogados em uma ilha com armas e o último a ficar vivo ganhará o prêmio de... ficar vivo. A população se empolga e começa a mandar sugestões para ele, até que o Brasil inteiro esteja envolvido nos Jogos Vorazes. No final, só o Bolsonaro fica vivo, o que torna a tarefa de governar muito mais fácil.



Haddad ganha.

Na primeira semana, ele agradece pelos votos e garante que exterminará a desigualdade social no Brasil. Na semana seguinte, o Estado assume o controle de todas as empresas, que param imediatamente de funcionar porque o governo não consegue fazer nada direito. O dólar despenca, a bolsa quebra, o Trump faz um discurso na ONU falando “Eu não disse?”, mas Haddad em poucos meses cumpre o que prometeu! Não existe mais desigualdade porque agora todos são igualmente miseráveis. Menos ele, claro. Chateado com as reclamações, ele convida Maduro para um churrasco.



João Amoedo ganha.

Ele começa a implantar sua política de fim de privilégios para as classes políticas, mas encontra resistência. A Esquerda e a Direita tornam o país ingovernável porque nenhuma das duas admite que tenha uma terceira opção. Há confusões, manifestos, e pessoas insanamente tirando seu dinheiro da poupança e gastando tudo em pipoca rosa. A ideia de ter um rico no poder deixa parte da população em pânico. Mercados são saqueados, bancos são depredados e quando pessoas começam a ficar ricas trabalhando, a histeria faz com que várias pessoas fujam para a Coreia do Norte e Venezuela, onde não há chance da riqueza alcançá-los. Os mais indignados fazem vlogs irados e reclamam que a riqueza é contagiosa e logo ninguém poderá guardar água em garrafa pet na geladeira, guardar feijão no pote de sorvete Kibom ou roubar caneta da lotérica. Desgostoso, Amoedo desiste e privatiza o país, colocando-o na bolsa. Trump compra todas as ações, se torna dono do Brasil e expulsa os brasileiros que agora são considerados imigrantes.





Henrique Meireles ganha.

Em três semanas ele resolve o problema da economia. O Brasil começa a crescer. Os impostos aumentam. Há muita reclamação na internet. A Indústria começa a se recuperar. Os impostos aumentam. Há quebra-quebra nas ruas. Os impostos aumentam para cobrir os prejuízos do quebra-quebra. Há uma greve geral que gera bilhões de prejuízo. Os impostos aumentam para cobrir isso também. O povo desiste e volta a trabalhar, mas dessa vez, 11 meses por ano só para pagar os impostos. Em seis meses, metade da população cai morta de tanto trabalhar. Pouco depois, a outra metade morre por um surto de dengue. Meireles renuncia e deixa o Brasil que se torna uma grande floresta onde um empreendedor estrangeiro cria um parque temático de dinossauros.




Álvaro Dias ganha.

Ele faz reuniões e toma várias decisões importantes logo na primeira semana. A Lava Jato se expande com tamanha velocidade que nenhum veículo de imprensa consegue acompanhar. Ele manda construir prisões e logo milhares de pessoas corruptas estão presas. Todos os que sonegaram alguma vez, compraram sem nota fiscal, receberam troco errado, pegaram caneta e não devolveram, participaram de pirâmides por e-mail, baixaram filme, joguinho ou MP3 sem pagar serão julgados e presos. Em um ano de governo, não haverá mais ninguém com menos de três meses de idade fora das prisões. Sem proteção, os bebês são todos comidos pelos dinossauros do Meirelles.



Ciro ganha.

Seu primeiro ato é soltar o Lula, companheiro injustamente preso. Para compensar, ele prende o Moro. Há protestos. Ele convoca uma coletiva e, assim que um repórter abre a boca, ele diz que não é obrigado a ouvir isso e atira no coitado. Depois ele pede desculpas. Aí atira em outro. Ele corre para tomar seus remédios, mas é tarde demais. Como um monstro, ele sai metendo bala em todo mundo que encontra, até que alguém consegue lhe dar seu Rivotril. Ele se torna um erudito elegante, mas sempre que fica sem seu remédio, volta a ser a besta assassina. O país está tão entretido acompanhando a estranha vida de seu presidente bipolar que esquece de trabalhar e pagar suas contas, levando o Brasil à falência.




Boulos ganha.


Para comemorar, ele e seus companheiros tacam fogo em pneus e fecham todas as estradas. A comemoração dura uma semana. Como nada passa pelas estradas, o país quebra. Boulos comemora mais uma vez por conseguir vencer o maldito capitalismo responsável por milhares de mortes e toda a injustiça social do mundo tão rápido.



Vera ganha.

O país paralisa completamente sendo totalmente estatizado, regredindo à Idade Média, onde vickings black blocks invadem vilas e cidades saqueando e matando para se vingarem do mundo capitalista selvagem onde os pobres ficavam mais pobres e o 1% rico ficava mais rico.

Um comentário: